segunda-feira, 25 de Julho de 2011

a cor da terra


Às vezes encontramos o nosso âmago no meio das palavras que se cantam como se fossem profundos regos coloridos de terra. Imaginamos esse campo duro, agreste e sem fecundidade! E no meio de tanta incerteza, vemos a nossa cara, como se estivéssemos na frente de um espelho.
Será que os homens, na simplicidade das suas palavras, algum dia imaginaram que estavam a semear uma imensa poesia para nascer da terra. Como se fosse aquela seara esculpida por espigas maduras, a adivinhar o futuro!
Que terra é esta tão extensa, para onde olhamos sem alcançar a raiz do desejo. Uma terra onde nunca encontramos o fim! Onde parece pairar a eternidade que jamais alcançaremos.
Nestas pradarias voluptuosas, o canto triste dos pássaros começa a esvair-se e o Sol inclemente reclama a limpidez da água. Por aqui, nestes campos tão singelos e misteriosamente sensuais, entregamo-nos à expectativa e à esperança.
Já cortámos o fruto, vamos despir o chão e, depois, seguiremos para um ritual de concepção sem palavras. Essas, aos olhos do poeta, estão gastas! Escondidas nas pequenas brechas da nossa imaginação ou no segredo inútil de todas as estrelas que desaparecem quando a aurora nos beija os olhos.

espreitar... e ler!


dediquem lá um bocadinho do vosso precioso tempo a esta "30 DIAS" que já vai no nº 24 e apresenta nesta edição temas muito interessantes sobre o Baixo Alentejo.

sexta-feira, 24 de Junho de 2011

sabor a fel


A exemplo do que sucedeu com o Bloco de Esquerda e o PCP, também o Partido Socialista sofreu um fortíssimo revés nas últimas eleições – no país e no distrito de Beja! Bem pode Luís Pita Ameixa alegar que o PS ganhou na região, ao contrário do que sucedeu em muitos distritos, apenas porque teve mais votos do que os restantes competidores. É uma vitória, concordamos, mas deve ter um insuportável sabor a fel!
Político experiente e com muitos anos de liderança partidária, Ameixa sabe muito bem que, no distrito de Beja,  o seu partido teve o pior resultado desde 1995, perdeu milhares de votos e passou a ter apenas um deputado. Não é coisa pouca!
Não se julgue, contudo, que a responsabilidade cabe apenas a Pita Ameixa. Mas é ele o rosto principal daquilo que aconteceu: se o foi para as vitórias também tem de o ser para este crescente declínio! Assim, parece claro que a liderança do PS do Baixo Alentejo está a precisar de mudança.
É muito óbvio que os socialistas têm de abrir desde já uma reflexão capaz, atempada e sem precipitações sobre o seu futuro interno. Esse processo obriga ao envolvimento de uma nova geração de militantes que, necessariamente, terá de começar a dar a cara e querer assumir responsabilidades.  Seja no plano dos autarcas ou noutros sectores, parece esgotado o tempo para a táctica e para o calculismo! Também no Baixo Alentejo o PS precisa de um ciclo novo, que assente numa renovada influência social; no reforço de uma voz própria mais respeitada e ouvida no quadro do país; no aperfeiçoamento da sua capacidade organizativa, de militância e de mobilização. Não perceber isto é permitir tacitamente que se acentue a actual  linha de declínio!

quinta-feira, 9 de Junho de 2011

a esquerda tem o que merece


Esqueçamos aquela moção de censura patética que o Bloco de Esquerda decidiu apresentar logo após a tomada de posse do Presidente da República! Foquemos a nossa atenção apenas nessa voluntariosa votação contra o PEC 4, inteiramente subscrita pelo mesmo Bloco de Esquerda e pelo PCP!
Esse foi o ponto de partida que levou à queda do Governo e abriu o caminho para a chegada da direita ao poder. Pelo meio, o PS teve um resultado desastroso e Sócrates despediu-se. O PCP perdeu votos mas resistiu e até cresceu na Assembleia da República. E o Bloco, sempre tão voluntarista e incoerente (andou ao lado do PS a apoiar Manuel Alegre, lembram-se?) sofreu um golpe muito contundente, ao ponto de muitos vaticinarem o princípio do seu fim!
Em resumo, a esquerda pode agradecer ao Bloco... de Esquerda, boa parte do descalabro sofrido nas eleições de 5 de Junho e o horizonte muito negro que tem pela frente. A esquerda, afinal, pode queixar-se de si própria e da sua idiossincrasia autofágica, sempre incapaz de dialogar, estender pontes e construir soluções. Tem o que merece!
Em sentido contrário, ainda os resultados não eram conhecidos, já os líderes da direita, como sempre fizeram desde 1974, liam nas estrelas um entendimento parlamentar e de governação. Com franqueza, se à luz desta “lua-de-mel” há quem acredite em dias fáceis, é bom que tire o “cavalinho da chuva”.
Quem manda é o FMI e o que aí vem já estava definido antes das eleições! Mas é justo conceder um prazo de confiança ao futuro Governo. Sem grandes expectativas, é certo! Mas crédulos de que haverá responsabilidade e compromisso. E que os interesses do país serão postos à frente dos oportunismos partidários e corporativos.

domingo, 29 de Maio de 2011

mértola fantástica


No momento em que estamos mergulhados na mais profunda depressão social, contrafeitos pelos números dolorosos da crise e à espera das medidas anunciadas pelo FMI, bem precisamos de aliviar o vendaval de coisas más e enaltecer os bons exemplos.
Um desses momentos de remédio e alegria é Mértola e o seu extraordinário Festival Islâmico que, no último fim-de-semana, chamou àquela vila milhares e milhares de visitantes, que encheram por completo as ruas apertadas da zona velha, embalados pelo colorido de cada banca, de cada essência e de cada memória relevada pelos trajes e pela simpatia dos magrebinos com a tez esculpida pelo Sol do Mediterrâneo.
Compreende-se bem porque há tanta gente a seguir para aquele encontro tão ancestral. Só ali, na Mértola árabe que esconde eternos segredos nas calçadas das ruas estreitas e na cal branca das paredes, seria possível abrir as portas para um verdadeiro caleidoscópio mouro. Um quadro repleto de vida, animado pelo sangue que tem sabido correr em sucessivas gerações, nestes 13 séculos de memórias e sinais.
O Festival Islâmico de Mértola é o mais assinalável evento cultural da nossa região porque, em feliz harmonia, soube conjugar o encanto de uma vila que é a verdadeira varanda do Guadiana e acolhe no seu ventre sucessivas civilizações. Feliz a terra que tem gente a perceber esse carácter e conta com uma câmara municipal que concentra energias positivas em torno de um acontecimento tão notável. Durante todo o ano, Mértola já é um lugar fantástico e magnético. Durante estes dias do festival, multiplica esse condão e age como um íman a que é difícil resistir. Ainda bem para todos nós!

sexta-feira, 29 de Abril de 2011

oportunismo efémero



Escrevi isto há um mês:

Em 2005, uma ministra da Educação chamada Maria de Lurdes Rodrigues encetou uma corajosa reforma no sector: a data de início do ano lectivo e a colocação de professores deixaram de ser anedóticas; surgiram aulas de Inglês em todas as escolas a partir do 1º ano; foram criadas condições para a extensão de horário com diferentes actividades até às cinco e meia da tarde; há aulas de substituição, refeições adequadas e obrigatoriedade no ensino até aos 18 anos (12º ano); a oferta formativa fortaleceu-se bastante na área profissional.
Entre estas e outras mudanças, a ministra também decidiu premiar os melhores professores pelo seu mérito. Para isso, estabeleceu um quadro de avaliação onde os mais competentes e empenhados passavam a ganhar mais e ser distinguidos.
Como Portugal é um país de direitos conquitados e inabaláveis, é sempre um drama fazer um confronto corajoso com movimentos corporativos, que se ancoram em sindicatos detentores de uma agenda que mais parece partidária do que dos trabalhadores. Mas, com alguns retoques, a reforma da ministra Maria de Lurdes Rodrigues conseguiu vingar e fazer o seu caminho.
Infelizmente, na passada semana, num completo clima de eleitoralismo e demagogia, PSD, CDS, PCP e Bloco de Esquerda  aprovaram a revogação desse projecto no Parlamento e deitaram por terra o trabalho feito nos últimos anos. Daqui para a frente, a avaliação dos professores continuará a ser o que sempre foi: todos serão muito bons ou excelentes!
Num país destes, onde os corporativismos são temperados com oportunismo eleitoral e político, em detrimento da responsabilidade e do sentido público, nada mais há a fazer. Sigamos alegremente pelo túnel escuro sem saída possível!


Felizmente, primeiro o Presidente da República e, há bocadinho, o Tribunal Constitucional, escreveram direito por linhas tortas. Os professores serão avaliados, como muitas outras classes profissionais! Os derrotados? Quem insiste na irresponsabilidade pelo puro oportunismo político!

desilusão

Como é fácil compreender a profunda desilusão que se apoderou dos apoiantes da candidatura de Fernando Nobre à Presidência da República. Em apenas três meses, o notável cidadão que difundiu pelo mundo uma organização humanitária que todos admiram, transformou-se em persona non grata e submetida aos “jogos da política”.
Fernando Nobre apregoou-se como um homem independente, distante dos partidos e capaz de liderar um crescente movimento cívico. Com essa pose, assegurou uma boa votação, que lhe garantiu um lugar ainda mais influente na sociedade portuguesa. Muitos vaticinaram que, daqui a cinco anos, com trabalho e sensatez, Nobre seria um fortíssimo candidato presidencial, onde poderia rever-se a sociedade cansada dos políticos e da política.
Eis senão que, num curtíssimo espaço de tempo, Nobre deixou-se levar para uma espiral de contradições. Bastou acenarem-lhe de dentro do PSD com um lugar na Assembleia da República, porventura no alto cadeirão da presidência. O médico da AMI, que tantos convenceu com as suas virtudes nada infectadas pelos partidos, depressa aceitou a proposta. E decidiu dar entrevistas, um pouco descaradas e ausentes de pudor, como só os piores da política costumam apresentar.
Fernando Nobre talvez ainda seja o cidadão respeitado pela sua imensa actividade pública e humanitária pelos quatro cantos do mundo. Mas, à luz do seu indescritível procedimento, jamais será um político respeitado, nem entre os seus pares nem entre os cidadãos. Isso é uma pena, porque não só estragou uma parte significativa da sua imagem, como deu um contributo determinante para violentar qualquer movimento cívico e da cidadania que surja em Portugal no futuro. É muito mau em tão pouco tempo!